“A janela do nosso escritório é a Suíça”

06Jan16

Em diferentes dicionários, as palavras são as mesmas, mas os significado aparecem descritos de uma forma quase semelhante. O comboio designa-se como uma porção de carros de transporte que se dirigem ao mesmo destino. E para muitos é o palco diário da rotina.

IF

IF

Trocou o mundo da hotelaria pelas carris. Há mais de seis meses que Pedro Sampaio decidiu dar uma novo rumo à sua vida. Viveu muitos anos em Interlaken, mas em Maio mudou-se para Biel. Começou a trabalhar na SBB e até hoje não se arrepende. “A adaptação foi espectacular. é uma diferença extraordinária. Temos uma excelente equipa. Somos ao todo 80 trabalhadores. São pessoas muito abertas e acolhedoras. São pessoas dispostas a receber e a responder a todas as perguntas”, refere. Mas deixa-se levar. “Viajar pela Suíça o dia inteiro a ver, paisagens, completamente diferentes. De montanha para plano. E ter a vantagem de ver um pôr-do-sol ou um amanhecer com vista para a montanha. O mais positivo para nós é mesmo a vista. A janela do nosso escritório é a Suíça”, declara.

Segundo Paul Theroux, é quase axiomático que os piores comboios levam-nós até lugares mágicos.

Mas há sempre histórias que ficam na memória. “Um dia saí de Zurique e tinhamos como destino a cidade de Biel. O chefe do comboio atribui-me três carruagens. Quando fui fazer o controlo da última carruagem, estava um grupo de dez mulheres de Nêuchatel. Todas elas tinham bilhete, onde se tem de picar. para validar. Controlei os nove bilhetes e depois a última disse-me: eu tenho bilhete. A senhora comecou a procurar na mala, e enquanto procurava, mostrou-me uma fotografia: era um homem completamente despido, todo nu. Na realidade ela tinha o bilhete, era só mesmo para se engraçada”, conta Pedro entre gargalhadas.

asset (4)Muitos pensam que os designados ‘picas’ apenas andam dentro do comboio a verificar bilhetes. Mas não é bem assim. “Um dia de trabalho ordinário basicamente resume-se: chego ao trabalho e tenho de preparar a minha volta, porque temos um acesso intranet, que é a rede interna do trabalho. Este sistema tem o meu plano do dia, onde sei quais são exactamente os comboios que vou fazer. Diariamente temos um registo de todas as interrupções que existem na SBB. Por exemplo, obras na linha, supressão de comboios a determinada hora. E temos de ter em conta isso, quando verificamos o nosso plano. Nós também fazemos a preparação dos comboios: testar os travoes, fazer a visita interior, para ver se o ar condicionado está a trabalhar, se o comboio está limpo. No fundo, temos de ver se há algum problema técnico” explica Pedro Sampaio. E acrescenta: “ Existem duas etapas no nosso trabalho. A primeira é acolher as pessoas na estação: recebê-las e orientá-las. Quando o comboio começa a andar, fazemos o controlo dos bilhetes e informação ao cliente. Já nao somos obrigados a controlar um comboio inteiro. O importante é que as pessoas nos vejam, de meia em meia hora.”

É natural da zona do Fundão. As raízes são mais precisamente de Barroca do Zezere ( Aldeias do Xisto). Trabalhou sete anos em Bern na central da SBB como ‘Senior Spezialist Zug’. Neste nomento está em Zurique como ‘Zugpersonalsteuerung’, quer isto dizer que faz a planificação de dos comboios extra, no fundo as mudanças de planos em termos de obras.

Rollmaterial Personenverkehr, aufgenommen in Nyon VD am 23. September 2014. ICN mit neuem Branding. Foto & Copyright ©2014: François Gribi / Fotograf BR&ZHdK / CH - 3006 Bern / PC-Konto 30-89790-5 Free SBB-internal and external use, no advertising, no campaigns.

Em breve linhas, o jovem explica a sua função. “Nós preparamos a planificação de comboios extras (um exemplo Auto Salão Geneve),comboios VIP ( visitas presidenciais ) e mudanças de planificação de turnos em termos de obras na Suíça inteira”, refere. “Fui revisor cinco anos em Interlaken. Neste momento só trabalho 50 horas por ano no comboio como revisor. Mas a direção geral de transportes públicos exige 50h mínimas por ano para poder exercer a profissão no comboio como revisor senão perdo a Licença que é renovada de cinco em cinco anos com exames federais (BAV prüfung)”, acrescenta.

Já perdeu a conta às viagens que fez, mas a que mais gostou foi de Londres a Paris, de comboio, onde teve a oportunidade de conduzir o Eurostar 15min a 297 Km/h. 

Quem chega à Suíça pela primeira vez depara-se com uma realidade: os preços dos bilhetes de comboio são um pouco mais dispendiosos que em qualquer outro país europeu. Sobre esta situação, Ricardo comenta:”não acho os preços muito caros porque muitos pensam que um bilhete é so para viajar de A para B, mas também tem que se pagar as infrastruturas, material. Neste momoento, somos a ferrovia mais pontual do mundo.”

O pouca terra já passou à história, mas o futuro das ferrovias Suíças tem muito por mostrar. Mas G.K Chesterton há uns anos disse que: “a única forma de ter certeza de que vais apanhar o comboio é perder o anterior.”

Seletiva, Novembro 2015



No Responses Yet to ““A janela do nosso escritório é a Suíça””

  1. Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: