20 primaveras à moda Portuguesa…em Interlaken

03Jun13

A Associação Desportiva dos Portugueses de Interlaken já tem mais de 200 sócios e este mês celebra uma data especial: faz 20 anos que uma forte união começou em Português, na região de Interlaken. Até hoje, o trilho não foi fácil.

 

 

Amizade e ambição. Foi no dia 26 de Junho do ano de 1993 que a comunidade portuguesa de Interlaken ganhou mais vida. Um grupo de amigos decidiu juntar-se e criar um local de convívio e amizade entre os seres lusos. Um dia que marcou o início da Associação Desportiva dos Portugueses de Interlaken (A.D.P.I). Este mês festeja o vigésimo aniversário.

SAM_1018

Ironia do destino, o fundador já regressou às origens portuguesas. Mas houve quem continuasse e colocou mãos à obra sem pestanejar. Celestino Ferreira assume hoje o cargo de secretário e sabe bem com que apoios pode contar. “Já temos cerca de 250 sócios actualizados. Há também sócios de outras nacionalidades mas segundo os nossos estatutos não podem exercer funções de direcção. A maioria dos nossos sócios são casais, crianças e infelizmente muito poucos jovens”, conta.

 

Para se ser sócio é simples: preenche-se o formulário de Sócio e paga-se a quotas anuais. O preço individual é de 60 chf e o de casal é de 84 chf. É importante informar-se das regalias de sócio. Há até mesmo um regulamento interno e os estatutos, que devem ser cumpridos por todos os Sócios.

 

São 20 anos de uma longa caminhada. “ Tem sido um percurso muito difícil, a maioria dos nossos emigrantes não estão motivados para voluntariamente assumir funções em prol do associativismo. Contudo há uma minoria que continua a luta para manter a A.D.P.I de pé. Ontem não foi fácil, hoje continua a ser duro. O futuro é muito incerto, mas é importante sensibilizar a juventude para tarefas futuras”, confessa o secretário.
As actividades são essenciais para a união de qualquer associação. Manuel Melo, antigo conselheiro da comunidade portuguesa sabe que há actividades que são importantes realizar. “Sobretudo deve-se promover iniciativas que visem a integração da comunidade portuguesa no país de acolhimento, sem perder de vista as nossas raízes e cultura. Atendendo aos tempos difíceis que vivemos, as iniciativas de cariz social e de solidariedade seriam certamente bem aceites por todos e serviriam para engrandecer ainda mais a nossa comunidade. Por outro lado, acções de informação dirigidas aos portugueses recém-chegados e que buscam emprego, representariam uma mais-valia para todos”, sustenta.

 

Em Interlaken as actividades são diferentes. “São maioritariamente festas, bailes, eventos  desportivos, exposições, cursos de alemão, convívio anual com comida e bebida gratuitos. Comemoramos normalmente o dia da Criança, o dia da Mãe e o dia da Mulher. Infelizmente muito pouca actividade cultural”, explica Celestino Ferreira.

 

 

Porém, há ambições que uma associação não deve perder de vista. “Os objectivos de uma associação devem nortear-se sempre por três pilares essenciais : Liberdade, Democracia e Solidariedade. A partir desta base, todos os ideais definidos servirão para defender e reforçar os interesses comuns dos seus membros. O problema maior das associações de emigrantes portugueses na Suíça, é precisamente não respeitarem os objectivos que se propõem estatutariamente. Quase todas apresentam regulamentos estatutários muito «bonitos », onde se definem ideias muito nobres, mas depois – por ignorância ou interesses pessoais –  os seus dirigentes fazem letra morta dos mesmos”, reúne Manuel Melo.

.

 

Contudo hoje em dia, a verdade é que não há tantas pessoas a ligarem-se ao associativismo. Mas Manuel Melo tem uma explicação.“Como é hábito dizer-se, o associativismo é um produto social, o qual deve acompanhar a evolução da sociedade e participar activamente na transformação da mesma. Quanto mais claros forem os objectivos traçados, mais fácil é as pessoas identificarem-se com os mesmos. Ora, na Suíça, o associativismo português não soube acompanhar a evolução e desenvolvimento da nossa comunidade. Salvo raríssimas excepcões, não se vislumbram projectos associativos valorizantes e aglutinadores de interesse para os jovens e mesmo para os adultos que procuram uma forma de participação cívica mais responsável e evoluída, que não passa necessariamente pelo jogo de cartas ou apenas pela equipa de futebol”, refere. E acrescente: “A comunidade portuguesa na Suíça tem hoje outras expectativas, que passam obrigatoriamente pela necessidade de se afirmar como uma comunidade capaz e competente, que sabe ser digna do país que a acolheu, mas sem nunca vergar a espinha dorsal na defesa dos seus interesses.”

HPIM2168

As associações precisam de mais sócios, mais pessoas activas. E para isso Manuel Melo tem a solução: “Duas medidas impõem-se urgentemente. Em primeiro lugar, resgatar a maioria das nossas associações do domínio de indivíduos sem escrúpulos, que confundem associativismo com actividade económica de interesse privado. Uma associação sem fins lucrativos, não é uma empresa para benefício de dois ou três dirigentes. Em segundo lugar, torna-se necessário mudar de agulha e orientar as acções e desenvolver projectos de qualidade na direcção dos mais jovens. Não basta estar presente. É necessário ser competente”, sublinha.

 

Os segredos para o êxito de uma associação são particulares. “A perenidade de uma associação  passa essencialmente pelo respeito dos três elementos condutores que apontei anteriormente. Por outro lado, é importante que os dirigentes e associados interpretem o associativismo como uma forma de realização e valorização pessoais, exercida com espírito de missão e desprendida de quaisquer interesses económicos ou políticos  pessoais”, enumera o antigo conselheiro da comunidade portuguesa, Manuel Melo.

 

A festa de aniversário tem lugar no dia 29 de Junho e começa às 18 horas. E poderá ir até às 2 da manhã. O Salão Kirchgemeinde em Matten será o palco para toda a disposição que contará com a música de Luís Filipe Reis. Há boa comida à Portuguesa, muito ritmo para dançar e animar todos os convidados. Um evento a não perder. E em bom português: ‘Onde se come, ficam migalhas.’

In Gazeta Lusófona, Junho 2013



One Response to “20 primaveras à moda Portuguesa…em Interlaken”

  1. Estou contente:
    Por saber que a alguém que apoia e concorda com os sacrifícios que os antepassados tiveram para dar nome, e não só a luta que foi necessária para
    no Ano e data que referiu termos alcançado esse estatuto. Pois munto bem
    continuem o vosso esforço que só assim vos darão o contributo e ajuda pessoal ao verem que vocês também sabem arregaçar as mangas.

    Para toda a direção: osArmandojaime56@ meus sinceros comprimentos


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: